Ouça a Nova Era 94,1 FM
Pelos Aplicativos

Clique para Ouvir Peça sua música

Feliz com evolução, Lais Souza usa rede social para mostrar recuperação


Feliz com evolução, Lais Souza usa rede social para mostrar recuperação

Aproximadamente três anos após um acidente que a deixou tetraplégica, a ex-ginasta Lais Souza começa a mostrar grandes sinais de que está se recuperando aos poucos. Agora de volta a Ribeirão Preto, a ex-atleta mostra diariamente a seus seguidores nas redes sociais todos os resultados de suas sessões de fisioterapia e revela estar otimista quanto ao futuro.

Lais revela que é seleta com o material que posta em seus perfis na internet, mas diz que todos os vídeos e fotos que publica são demonstrações de superação que quer dividir com seus seguidores dia após dia.

“Quando eu simplesmente posto um vídeo pode ter certeza que ali eu senti alguma coisa e esse último vídeo que postei foi bem isso mesmo. Eu estava fazendo alguns exercícios em pé e tentando forçar o braço pra frente. Foi quando percebi que meu peitoral também está ficando mais forte”, revela.

O acidente que deixou Lais tetraplégica ocorreu no dia 27 de janeiro de 2014 em Salt Lake City, nos Estados Unidos, durante um treinamento. Ela esquiava em uma pista cercada de árvores quando colidiu contra uma delas e sofreu uma pancada na cabeça e teve um deslocamento entre a terceira e a quarta vértebras, esmagando a medula. Com a lesão, ela perdeu a sensibilidade e os movimentos do pescoço para baixo.

Antes de se dedicar à modalidade do esqui, Lais Souza representou o Brasil como ginasta em duas Olimpíadas. Em 2005, conquistou uma medalha de ouro no salto, na Copa do Mundo de Cottbus, na Alemanha.

“Três anos de vida eu falo. Fiz aniversário no dia 27 de janeiro e quando gosto de um exercício, sinto realmente que teve alguma coisa, um movimento pequeno que seja, eu gosto de publicar. Eu faço exercício, tem alguns que eu acabo me frustrando, mas muitos eu consigo enxergar que tem aquela luzinha no fim do túnel”, afirma.

Apesar de ser ex-atleta, Lais diz que suas sessões de fisioterapia possuem um ritmo similar ao que possuía enquanto treinava se preparando para competições como as Olimpíadas.

“Essa é a sensação que eu tenho, que estou de volta aos treinos. Realmente, eu não estou me mexendo, não estou fazendo mortal, não estou fazendo twist carpado, mas o pequeno esforço que eu faço ali é grande, parece que estou empurrando um carro”, revela.

Depois de voltar a morar em Ribeirão Preto, Lais também passou a se dedicar aos estudos. Agora, ela está cursando psicologia e afirma que por hora quer dar seu máximo à nova carreira que pretende exercer futuramente enquanto concilia a profissão com outros sonhos.

“Acho que um dos pontos é porque eu posso exercer [o trabalho] e o outro é porque eu gosto muito [da psicologia]. Eu gosto de pensar assim, que daqui a uns anos é possível voltar a andar, ou pelo menos mexer o braço, mas por enquanto estou indo pelas pequenas vitórias”, conclui.

 

G1